Spiga

Tevez na várzea

Levava carrinho no pescoço na várzea, diz Tevez

Marcado bem de perto pelos adversários nos gramados ingleses, o atacante Carlos Tevez, do Manchester United, resolveu mandar um recado. O argentino, que cresceu no subúrbio de Buenos Aires, disse que não se sente intimidado e relembrou os tempos que jogava na várzea.
"A pressão de verdade é no futebol da várzea, onde tudo é permitido e ninguém te protege. Você tem que enfrentar jogadores mais velhos e mais fortes", disse. "O carrinho mais fraco era na altura do pescoço, mas você era obrigado a aceitar", completou.
Tevez cresceu no Forte Apache, bairro barra pesada da capital argentina, onde teve uma infância difícil. De família muito simples, passou até fome em meio a seus quatro irmãos menores.
"Na várzea você aprende a fazer um pouco de tudo. Ataca, defende, marca joga e convive com jogada duras. Disputávamos jogos que valiam sanduíches e refrigerante. E era terrível", lembrou Tevez.

0 comentários:

Postar um comentário