Spiga

Pintando com o Pintado

Renato Gaucho teve que trocar sua mercedes vermelha quando jogava no Grêmio. A Coca-Cola, por exemplo, anuncia em preto na Bombonera, para não fazer alusão às cores do River.
Então, técnico quando vem de fora tem que ficar mais ligado quanto às rivalidades e as cores dos clubes da cidade.
Falo especificamente do Pintado, do Figueirense. Em primeiro lugar, nem se tocou quando viu seu atleta usando uma chuteira azul (cores do Avaí). Depois deu as seguintes palavras à imprensa:

- vai ficar tudo azul...
Quando foi corrigir, piorou:
- Quero dizer que meu coração é verde e preto. (as cores do Figueirense são preto e branco*).

Por fim, fica inevitável lembrar da pergunta-trocadilho dos tempos do colégio:
- O Pintado, tu pinta ... ?

* Se bem que no escudo e uniforme também aparece o verde...

Futebol é Carnaval!

Bons tempos do saudoso Moisés e de que os jogadores eram mais autênticos nas suas caras de pau...

Muy Bien

Estive afastado das postagens neste feriadão. Fui conhecer a capital federal mais apaixonada pelo Futebol no mundo: Buenos Aires. Para provar, bati uma foto com o técnico da seleção local, que, segundo opinião (suspeita) de um taxista, está indo muy bien.
Depois conto pra vocês da minha visita a Bombonera.
Um abraço.

Lamento não ter tido tempo de visitar o templo da Igreja Maradonista...

Memê no Folclore

Peço licença pois este post não é sobre Folclore da Bola... obrigado.

Seguindo a corrente, registro a minha participação no Meme. Começou a circular entre os amigos e ganhou vários nomes (“fatos aleatórios”, “coisas sobre mim”, “seis segredos”, “auto-coisas-aleatórias”...) O jornalista Alexandre Gonçalves, do Coluna Extra, me convidou e aqui está a minha lista de seis coisas aleatórias sobre mim:

1. Aos 12 anos participei do Bicicross Center, do Shopping Itaguaçu. Nos dois anos de corridas, o máximo que cheguei foi segundo lugar em uma bateria (onde 2 garotos se acidentaram). Em cada bateria corriam 4 bicicletas. Minha bike era uma BMX Pantera Superstar com pneu amarelo.

2. Quando quero explicar para os Avaianos mais antigos em que trave aconteceu um lance na Ressacada eu tenho 2 referências: a trave Ademir Patricio (lado esquerdo das cabines de rádio) e a trave Branco de Bicicleta (lado direito). Isso em homenagem aos autores dos gols avaianos num clássico Avai 2 x 1 Figueirense nos anos 80. O gol de Ademir Patricio foi em impedimento.

3. Assisti a um show de Zezé di Camargo (ainda sem o Luciano) em cima de um caminhão no Kobrasol, no final dos anos 80. Ele era um anônimo e divulgou o show com aquelas faixas fajutas de pano pelo bairro.

4. Já conversei rapidamente com a cantora paraguaia Perla em um aeroporto. Disse que achava que ela era mãe da Shakira. Ela ficou lisonjeada.

5. Sou analista de sistemas. Meu primeiro programa de computador foi feito em Pascal em 1991 (tinha 16 anos), e calculava a área de um triângulo. Bastava colocar a base a altura em um arquivo texto de entrada. Uma vez implementei um compactador (tipo um ZIP). Ele não funcionava muito bem, pois aumentava o tamanho do arquivo de origem, em vez de comprimí-lo.

6. Já toquei na noite, participando da Banda UX. Uma das principais diversões era fazer playback em programas de auditório locais, de preferência após um belo esquenta. Levávamos um litrão de coca e uma Smirnoff. O primeiro playback da minha vida foi feito após ingerir 12 (doze) cubas.

Repasso o Memê aos colegas blogueiros Augusto Campos, Bruno Melo, Camila Paulos, Maldita FC, Sebastião Miraglia e Rogerio Cavalazzi.


o título do post é uma brincadeira com o nome de um disco que o Lulu Santos fez com o DJ Marcelo Mansur, o Memê, Eu e Memê, Memê e eu, e que por sua vez é uma brincadeira com a música “Eu e você, você e eu”, do Tim Maia (fonte Coluna Extra).

Grandes Reforços 2009 - Veteranos

Mesmo já consagrados, 'vovôs' buscam recomeço em times medianos

Mesmo com extenso número de conquistas no currículo e com idade já avançada, Luizão e Pedrinho optam por continuar nos gramados do país

Somando seus títulos, eles já conquistaram Copa do Mundo, Mundial de Clubes, Libertadores, Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, entre outros títulos. Os dois também estão longe de serem meninos - um tem 33 anos e o outro 31. Mas mesmo assim, o atacante Luizão e o meia Pedrinho ainda conseguem encontrar motivação para continuar a atuar nos gramados do país.

POR ONDE ANDA: 'VOVÔS'
Luizão,
33 anos,
Guaratinguetá

Marcelinho Carioca,
38 anos,
Santo André

Giovanni,
37 anos,
Mogi Mirim

Túlio,
39 anos,
Itumbiara

Pedrinho,
31 anos,
Figueirense

Denílson,
31 anos,
Itumbiara

Viola,
40 anos,
Resende


E não são só Luizão e Pedrinho que se enquadram neste 'conceito'. Nomes como Marcelinho Carioca (Santo André), Denílson (Itumbiara), Giovanni (Mogi Mirim), Viola (Resende) e Túlio (Itumbiara) são casos de atletas que foram ídolos em alguns clubes que passaram, com vários títulos conquistados e, mesmo assim, voltaram a jogar em clubes medianos mesmo com uma idade já avançada.

Luizão se transferiu recentemente para o Guaratinguetá, clube que disputa o Campeonato Paulista. Pedrinho, por sua vez, decidiu aceitar a proposta do Figueirense, e integra o grupo que tenta conquistar o Campeonato Catarinense.

O atacante do Guaratinguetá, que se diz decepcionado pelas seguidas lesões que atrapalharam a sua carreira, alegou, entre outras coisas, motivo familiar para continuar jogando.

"Eu fiquei um ano sem jogar, senti falta de voltar. Além disso, meu filho [Rocco, de quatro anos] ficava me pedindo para me ver jogando", disse Luizão. "Voltei mais pelo prazer de encerrar a carreira dentro de campo jogando".

Já Pedrinho acredita que o que faz continuar atuando é o fato de que ele ainda consegue ter um bom rendimento nos gramados. "Não tem mais o que mudar na minha idade, não vou conseguir fazer algo melhor do que fiz no auge da minha forma física, mas também não vou deixar acontecer aquela coisa de jogar quando já não tiver mais apresentando um bom futebol".

Luizão concorda com a tese de que existe um preconceito com os jogadores que passam dos 30 anos. "No Brasil tem esse preconceito, fora não. Mas eu não ligo para isso. Se voltar e fizer 6, 7 gols em 10 jogos isso acaba rapidinho", afirmou o atacante. "Só quero que me deixem fazer o que eu gosto, que é jogar futebol, sem ninguém me encher. Quero desfrutar o que me resta".

Pedrinho disse que não liga para este suposto preconceito. "Não analiso mais a idade, mas analiso a performance do jogador. Você vê o Cafu, o Mauro Galvão, que foi campeão comigo com 38 anos, são exemplos de jogadores que conseguiram brilhar", argumentou.

Sobre parar de jogar, Luizão e Pedrinho possuem visões distintas. Enquanto o atacante do Guaratinguetá prefere não ficar datas, o meia do Figueirense já vê uma 'idade limite' para se aposentar dos gramados.

"Quero jogar até a hora que me der vontade. Quando não der mais, eu paro", declarou Luizão. "Eu tenho 31 anos ainda é uma idade boa e a minha performance física não ficaria triste se me chamassem de vovô, mas não vou chegar nos 35 anos jogando", disparou Pedrinho.

Pelé.Net

Charge em Video

Uma Charge muito popular no final do ano passado ganhou versão em video:

Travessuras do Imperador - Evento n. 8.881

Adriano marca usando o braço na vitória do Inter sobre o Milan. Conheça outras travessuras do Imperador.

Grandes Reforços 2009 - Odvan


O engraçado da matéria abaixo do site Futebol Interior é o título, que começa com "Meu Deus!". Outra questão a se levantar é a idade do cara. Se não me falha a memória o Odvan já tinha 30 anos em 1997. Será que ele nasceu em 29 de Fevereiro e faz aniversário a cada 4 anos?
Toda a vez que falam no Odvan lembro do Boris Casoy narrando gols de jogos seleção brasileira num telejornal:
_ ...O zagueiro Odvan que joga bem... NO VASCO... falhou e a bola acabou sobrando para o atacante fazer mais um..
Os comentários são de que o zagueiro vai receber R$ 15 mil livres - com direito a cartões celulares abertos, hotel de luxo, táxi ou veículo alugado. Nada mau, hein Odvan?


Meu Deus! Time do Mato Grosso contrata veterano Odvan

Rondonópolis, SP, 12 (AFI) – O União Rondonópolis anunciou a contratação de um experiente jogador para a defesa do clube dentro do Campeonato Matogrossense. Trata-se do veterano Odvan, de 34 anos, que teve passagem marcante pelo Vasco e chega para ser o líder o do time dentro do Estadual.

O jogador ficou famoso no futebol brasileiro ao atuar no Vasco de 1997 a 2001. Foi eleito o jogador o mais feio do Brasil em uma pesquisa realizada pelo programa de televisão Globo Esporte.

Além disso, o nome do jogador é tratado como forma curiosa e inusitada, pois sua mãe, o batizou devido a uma música do cantor Roberto Carlos chamada "O Divã". A mãe do atleta escolheu o nome, pois é fã incondicional do cantor.


Deixando o Vasco, o jogador passou por Santos entre 2001 e 2002, Botafogo, no time em que acabou sendo rebaixado para a Segunda Divisão em 2002, Coritiba em 2003, Fluminense, Náutico e Estrela da Amadora, os três em 2005, até chegar em 2006 no Madureira.

Depois disso defendeu o Ituano, mas, em setembro de 2008, Odvan voltou ao Vasco ao lado de Edmundo e Pedrinho com quem ganhou o Brasileiro de 1997. A passagem no time da Colina acabou com o rebaixamento à Série B de 2009.

Misturas genéticas

Na linha dos posts "Separados no Nascimento" rola na internet uma imagem com uma série de misturas genéticas. Pra variar clonei do Verdade Absoluta, confirmando a previsão do próprio Blog. Clique para ampliar.

Beijoqueiro

Um exemplo extremo de bom relacionamento com a imprensa esportiva...

Separados no nascimento: Leandro Machado e Nerso da Capitinga

Ele voltou ao Criciúma para tirar o time da série C. Ano passado, no estadual, passou impune ao ameaçar 'partir ao meio' um árbitro, em pleno microfone de uma rádio. O leitor Tiago Machado prestou atenção e percebeu. O cara é o próprio Nerso da Capitinga, personagem do ator Pedro Bismark.

Mil frases do futebol - Série Hollywood

O Marcilio Dias tem um novo artilheiro, chamado Lourival. Rambo é o seu apelido. Após mais um jogo largou essa para a imprensa:

231. pô o cara fez um monte de filme porreta e fico muito feliz de ter o meu trabalho assim reconhecido.

Detalhe: Lourival compõe seu look com um Ray Ban espelhado e uma faixa vermelha na cabeça. Na verdade uma composição dos personagens Cobra e Rambo. Só faltou uma luva de boxe para também agregar o Rocky...

Adivinha qual dos três não é o Stallone real?

NR.: O jogador foi denunciado por infração ao artigo 253 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) – praticar agressão física – quando tomou um cartão vermelho no jogo contra o Metropolitano.

Colaborou o leitor Vitor Pacheco

Pescando as conversas

O Folclore da Bola entra na mente dos jogadores para ler as conversas que não foram registradas pelos microfones. O diálogo abaixo registra os dramas pessoais dos atletas e foi captado durante o aquecimento para o amistoso do Milan contra o Glasgow Rangers, na Escócia.

Separados no nascimento: André Santos e Cara da Turma do Didi


Eu ia até procurar o nome na Internet mas fiquei com preguiça. Os Trapalhões sempre foram pra mim apenas o Didi, Dedé, Mussum e Zacharias. Então, um desses novos aí (à direita na foto acima) é igualzinho ao André Santos. Confira quando zapear pela Globo acidentalmente ao meio-dia de domingo!

Vampeta, o Capeta

Vampeta faz jus ao seu apelido, mistura de vampiro com capeta. Semana passada se meteu na maior confusão com o goleiro do Bahia por causa de uma mulher e levou um talho no braço.
O irmão do capeta deu sua versão ao GloboEsporte:

- Estávamos eu, meu irmão e o motorista na hora da briga. Nós fomos para cima de Marcelo para bater nele. Não teve nada de arma e roubo de celular.
Márcio revelou também o que levou Vampeta a procurar o jogador do Bahia para tirar satisfações.
- Em 2006, quando os dois jogaram no Corinthians, Vampeta ajudava muito Marcelo. Agora, ele pegou o telefone da mulher de Vampeta e fica “cantando” ela. Além disso, contraiu uma dívida com meu irmão. Ninguém aguenta isso não.